Documentação Técnica

Documentação Técnica
* Engenharia de Dragagem, Sinalização Náutica, Batimetria, Projetos de Canais Navegáveis, Meio Ambiente, Cartas Náuticas, Software de Navegação, Topografia Básica e outros assuntos técnicos.

* Os leitores poderão ter acesso e fazer download do material na parte inferior desta página.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Catamarã - Batimetria e Sinalização devem permitir operação da rota Cais Mauá-Cristal

Marcus Meneghetti

O superintendente da Metroplan, Oscar Escher, assinou ontem contrato com a STE Engenharia que, em parceria com uma empresa do Rio de Janeiro, vai realizar a batimetria (medição de profundidade e averiguações do terreno do lago Guaíba) e a sinalização da hidrovia que liga o Cais Mauá, aos cais do bairro Cristal e de Guaíba. Os estudos serão entregues para a Marinha e, depois disso, Escher garante que o Catamarã vai começar a circular pela nova rota em até 45 dias. O mapeamento vai custar R$ 70 mil para os cofres públicos, e deve ficar pronto em duas semanas.

No ano passado, a conexão com a zona Sul foi adiada, pois a empresa que havia realizado o estudo da rota hidroviária não era cadastrada na Marinha, e a batimetria não era multiface (uma exigência técnica do órgão militar). Na ocasião, a Metroplan ainda não tinha assumido a regularização das linhas aquaviárias. Assim que assumiu a tarefa, o superintendente do órgão previu que, embora a realização do mapeamento fosse rápida, os trâmites na Marinha levavam cerca de 40 dias para serem concluídos.

“Tenho errado nas minhas previsões. Os prazos têm se arrastado por causa da burocracia e por questões políticas. Tenho arriscado a minha credibilidade. Mas alguém precisa pressionar os governos para que as coisas aconteçam. Fizemos todos os estudos possíveis. Agora esperamos que, em até 45 dias, a nova rota esteja funcionando, mesmo que com seis meses de atraso”, declarou o superintendente.


Ele afirmou ainda que os sucessivos atrasos se devem por questões burocráticas e políticas. “Por exemplo, a integração do transporte metropolitano, que inclui o modal aquaviário, não sai porque a prefeitura e o Estado não se acertam. Tive a chance de falar para o governador Tarso Genro que ele e o prefeito José Fortunati precisam sentar e se alinhar em prol dessa questão”, criticou Escher.

O diretor de operações da Catsul, empresa que administra as embarcações, Carlos Bernaud, sustenta que a empresa está com tudo pronto para iniciar as viagens. O único entrave é a reforma do píer no bairro Cristal, nas imediações do BarraShoppingSul, que sofreu depredações em dezembro do ano passado. Os reparos ficaram a cargo da companhia de navegação.

“Estamos preparados para começar a navegar amanhã, não fosse a depredação no cais do bairro Cristal. Estávamos esperando a assinatura do contrato para reformarmos o píer, porque, se concertássemos antes, correríamos o risco de sofrer novas depredações. Agora, com o contrato assinado, temos essa perspectiva de 45 dias para começar a operar. Uma semana antes dos barcos circularem, reformaremos o local”, projetou Bernaud.

O trajeto, que parte de Guaíba e aporta no Cais Mauá, em Porto Alegre, percorre uma distância de 24 quilômetros em 22 minutos. Do Cais Mauá ao bairro Cristal (nas imediações do BarraShoppingSul), 12 quilômetros em 28 minutos. Do bairro Cristal até Guaíba, 12 quilômetros em 14 minutos. O preço da passagem é de R$ 7,30. A Metroplan estima que o modal vai transportar cerca de três mil passageiros por dia.

Fonte: Jornal do Comércio, Transporte Hidroviário.